terça-feira, 7 de julho de 2009

Tatuagem



Consiste num processo de introdução subcutânea de pigmentos através de agulhas. Segundo dizem, a dor depende um pouco da zona e do tipo de desenho que se tenciona fazer.
Existem provas arqueológicas de que as tatuagens já eram efectuadas no Egipto entre 4000 e 2000 a.C. e também por nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia. No entanto, existem ainda muitas controvérsias e curiosidades. No entanto uma coisa é certa: a história da tatuagem esteve desde sempre ligada à história da evolução do homem. Será que a tatuagem começou na pré-história pelas cicatrizes? E será que elas começaram por ser cicatrizes propositadas?
Esta ideia ganhou ainda mais consistência quando em 1992 foi encontrado nos Alpes o corpo de um homem com mais de 5000 anos, que pertencia à Idade do Bronze e apresentava cinquenta e oito tatuagens que consistiam em pontos e linhas simples.
Há muitas pessoas que as fazem para marcar momentos da vida biológica (nascimento de um filho, maturidade sexual, ...), ou social (vida militar, profissional, casamento, ...).
Na Samoa, o acto de pintar o corpo, marcava a passagem da infância para a maioridade. Enquanto não fosse marcado, por mais idade que tivesse, não teria voz numa roda de adultos nem para tomar uma esposa para si. Quantas mais tatuagens tivesse mais alto seria o seu estatuto social.
No Japão feudal acontecia exactamente o contrário, onde as tatuagens eram efectuadas como forma de punição, tornando-se sinónimo de criminalidade. Quando apareceu a Yakuza, os membros tinham os corpos tatuados em sinal de lealdade e sacrifício à organização e simbolizando a sua oposição ao regime.
Também as civilizações Maias e Astecas e as tribos indígenas dos Estados Unidos eram praticantes da tatuagem.
Charles Darwin afirmou que nenhuma nação desconhecia a arte da tatuagem, porque a maioria dos povos do planeta praticavam ou tinham praticado algum tipo de tatuagem.
O pai da palavra tattoo como a conhecemos actualmente foi o capitão James Cook. Com a circulação dos marinheiros ingleses, a tatuagem tornou-se bastante popular entre eles, fazendo com que a palavra tattoo e a tatuagem entrassem em contacto com outras civilizações pelo mundo.
Em 1879, o governo de Inglaterra adoptou a tatuagem como forma de identificação de criminosos e a partir daí ganhou uma conotação de "fora-da-lei".
Hoje em dia e graças à circulação da informação pelos diversos meios de comunicação, a tatuagem vem cativando cada vez mais pessoas de todas as camadas sociais, que as fazem como forma de diferenciação e afirmação social. Mas há muito outros motivos: "porque é moda", "porque é sensual" ou "porque o amigo fez".
Esta é a do Nuno, que ainda está fresca e que poderá levar alguns amigos a fazer algo do género... um dia.

2 comentários:

Mónica disse...

Olá migo!!!
Cá estou eu a deixar o meu testemunho no teu blog!
Qt às tatuagens...eu até fazia mas disseram-me que doí... (sim eu sei: Sou fraquinha!!!)

Quero deixar registado, aqui neste preciso local! que só tenho pena que as nossas vidas sejam afastadas do contacto diário e que não nos possamos relacionar dia após dia, é muito bom ter um amigo como tu!
Vou-me deixar de "prosmeirices" e voltar à labuta...

Beijos

xandrinha disse...

Á tatuagem até nem está má, mas a perninha pirosa não era necessário;-)